5 de junho de 2009

4° Mito: "Escrever é um ato isolado, desligado da leitura"


A leitura nos ajuda a "assimilarmos as estruturas próprias da língua escrita". Assim como na oralidade, que precisamos nos apoiar em um contexto e necessitamos do ouvinte, a comunicação escrita também tem as suas particularidades. Isso é devido ao fato da comunicação acontecer a distância,"sem o apoio do contexto e da expressão facial. Tratamos de forma diferente a sintaxe, o vocabulário e a própria organização do discurso." Quando mantemos contato com os mais variados gêneros textuais, a nossa memória armazena modelos que facilitarão a escrita, pois passamos a ter um conhecimento efetivo dela.
Além disso, o processo de leitura envolve "tantos procedimentos intelectuais e exige tantas operações mentais", que o bom leitor acaba por adquirir uma maior agilidade de raciocínio.
Vale lembrar que a leitura é uma eficiente fonte de informação, promove a análise dos mais variados acontecimentos e torna o leitor mais crítico e menos propenso à dominação ideológica.


Fonte: GARCEZ, L. H. do Carmo. Técnica de redação: o que é preciso saber para bem escrever. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

2 de junho de 2009

3° Mito: "Escrever é uma questão que se resolve com algumas 'dicas' "


As pessoas se iludem com a ideia de que alguns "macetes" de última hora tem o poder de resolver problemas com a produção de textos, principalmente quando elas se submeterão a concursos nos quais precisarão mostrar uma boa desenvoltura na escrita a curto prazo. Esse fator enriquece donos de escola e de cursinhos atualmente.


Muitos professores oferecem em suas aulas, verdadeiros protótipos de textos, repletos de" fórmulas pré-fabricadas e de 'dicas' isoladas ( que apenas contribuem) para a montagem de um texto defeituoso, truncado, artificial, em que a voz do autor se anula para dar lugar a clichês, chavões, frases feitas e pensamentos alheios". Quantos de nós não fomos educados assim ao longo da experiência escolar?


A autoria é resultante das nossas marcas e das características que o gênero e a língua nos permite. Nas postagens anteriores vimos que para escrever um bom texto é necessário muita prática, reflexão e leitura. Nesse sentido, o processo de escrita é algo que nos envolve por completo, abarcando os nossos "conhecimentos e experiências sobre o mundo e sobre a linguagem". Sendo assim, derrubamos a possibilidade de esquemas prévios ou formas que substituam o processo. Se é o indivíduo que dita o andamento do texto, conclui-se que o mesmo é imprevisível!!!

Lembrete: uma produção textual por mês, exercícios esporádicos de pequenos trecos não formam um bom escritor. Escreva sempre, todos os dias, sobre diversos assuntos, com objetivos variados.


As famosas "dicas" só terão um resultado satisfatório, se forem " forneceidas a partir das dificuldades reais vivenciadas na produção de textos". Se isoladas de um exercício intenso, em nada ajudam!




Fonte: GARCEZ, L. H. do Carmo. Técnica de redação: o que é preciso saber para bem escrever. São Paulo: Martins Fontes, 2001.



Obs.: Recomendo o post de hoje do blog do Pablo sobre o acordo ortográfico. Achei interessantíssimo um jogo que ele propõe para tirar as nossas dúvidas. =)

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...