29 de agosto de 2009

5 discos que marcaram a minha vida...

Vi esse meme em algum lugar da rede e achei ótimo, pois trata de uma das coisas que move a minha vida, a música. Ouço música quando estou usando o pc, quando estou no ônibus, quando estou sozinha.Sou muito criteriosa com as letras das canções que ouço.A minha relação com a música se dá através das indicações de alguns amigos, de achados que faço por aí e também por crescer ouvindo muita bossa nova e mpb por influência do meu pai.Portanto, música é diretamente proporcional ao momento que estou vivendo, a pessoa que me indicou e o humor daquele dia. Resumindo, tem muito de memória sensível envolvida nisso...
O meme consiste em dizer aqui cinco discos que marcaram a minha vida, um que eu esteja curtindo agora.Particularmente achei complicadíssima a tarefa...
Então aí vão os discos que de alguma forma me marcaram:

Switchfoot - The Beautiful Letdown:


Djavan - Lilás:

Norah Jones - Feels Like Home:

Skillet - Alien Youth:


Grupo Logos - Pescador:


Um cd que estou curtindo muito ouvir atualmente é a trilha sonora do filme (musical) Mamma Mia!, que revisita as músicas do grupo Abba, que fez parte da infância, adolescência e juventude de muita gente! ^^
O filme é divertidíssimo e é um prato cheio para quem curte musicais como eu!


Para quem interessar saber, neste site dá pra ter uma ideia do que andei ouvindo de 2006 pra cá.Pena que não deu pra monitorar tudo o que já ouvi durante a minha vida inteira, haha! :P

20 de agosto de 2009

Crise do quarto de vida?


De vez em quando me pego pensando porque algumas coisas já não mais têm graça, enquanto outras me dão tanto prazer.

Meu circulo de amizades é cada vez menor, embora a cada dia conheça novas pessoas, em diversos lugares que freqüento. Há alguns anos eu diria que todos que conheço são “amigos”.
O tempo não passou só pra mim, pois está cada vez mais complicado reunir os amigos que partilharam do meu passado. Cada um foi pra um lado, trabalho, estudos, casamento e namoro estão entre os motivos mais freqüentes de tantos desencontros. Vamos marcar? Vamos mesmo! Os dias, as semanas, os meses, os anos passam e ninguém marca coisa nenhuma. Os encontros passam a ser casuais. E olhe lá!

As aglomerações já não têm mais graça. Encarar o show da sua banda preferida, no meio do povão é quase insano.
Percebo que os grupinhos da escola eram passageiros e que os amigos de verdade de alguma forma me acompanharam em momentos posteriores e outros podem até não ter feito isso, mas descobri que são especiais e sinto saudade deles.

Quando olho pra minha vida profissional, percebo que ainda tenho muitos degraus para alcançar. A vida de adulto não é fácil mesmo. As escolhas incomodam muito mais agora. O que eu quero ou não quero irá influenciar um futuro bem próximo.

Minhas opiniões estão formadas, sou capaz de brigar por elas.

Olho pra trás e fico pensando se a vida era menos complicada do que agora. Mas não posso me prender a isso e continuo caminhando pra frente...
Meu futuro anda quase que lado a lado com o presente. O tempo parece voar... Como assim, ontem eu tinha 15 anos? E agora eu tenho vinte e poucos? Pare o tempo, eu quero descer!!!!

Carpe Diem!
"O tempo passa e engraxa a gastura do sapato. Na pressa a gente não nota que a lua muda de formato..."

*Baseado em um texto chamado “Síndrome dos vinte e tantos...”, que recebi de uma amiga por e-mail. Desconheço o autor...

17 de agosto de 2009

Encerrando ciclos...

Hoje o post não é de minha autoria, mas tá valendo... O texto a seguir é um daqueles que circulam na rede e não sabemos quem de fato é o autor. Alguns atribuem ele a Paulo Coelho, Fernando Pessoa, etc, etc... A autoria não é o mais importante e sim a mensagem, pois nos faz pensar!

Encerrando Ciclos

Sempre é preciso saber quando uma etapa chega ao final.
Se insistirmos em permanecer nela mais do que o tempo necessário, perdemos a alegria e o sentido das outras etapas que precisamos viver…

Encerrando ciclos, fechando portas, terminando capítulos.
Não importa o nome que damos, o que importa é deixar no passado os momentos da vida que já se acabaram…
Foi despedida do trabalho?
Terminou uma relação?
Deixou a casa dos pais?
Partiu para viver em outro país?
A amizade tão longamente cultivada desapareceu sem explicações?

Você pode passar muito tempo se perguntando por que isso aconteceu…
Pode dizer para si mesmo que não dará mais um passo enquanto não entender as razões que levaram certas coisas, que eram tão importantes e sólidas em sua vida, serem subitamente transformadas em pó…
Mas tal atitude será um desgaste imenso para todos:
Teus amigos, Teus filhos, teus irmãos, todos estarão encerrando capítulos, virando a folha, seguindo adiante, e todos sofrerão ao ver que você está parado…

Ninguém pode estar ao mesmo tempo no presente e no passado, nem mesmo quando tentamos entender as coisas que acontecem conosco.
O que passou não voltará…
Não podemos ser eternamente meninos, adolescentes tardios, filhos que se sentem culpados ou rancorosos com os pais,
amantes que revivem noite e dia uma ligação com quem já foi embora e não tem a menor possibilidade de voltar.
As coisas passam, e o melhor que fazemos é deixar que elas realmente possam ir embora…
Por isso é tão importante (por mais doloroso que seja) destruir recordações, mudar de casa, dar muitas coisas para orfanatos, vender ou doar os livros que tem…
Tudo neste mundo visível é uma manifestação do mundo invisível, do que está acontecendo em nosso coração e o desfazer-se de certas lembranças significa também abrir espaço para que outras tomem o seu lugar.
Deixar ir embora, soltar, desprender-se…
Ninguém está jogando nesta vida com cartas marcadas, portanto às vezes ganhamos e às vezes perdemos.
Não espere que devolvam algo, não espere que reconheçam seu esforço, que descubram seu gênio, que compreendam seu amor…
Pare de ligar sua televisão emocional e assistir sempre ao mesmo programa, que mostra como você sofreu com determinada perda:
isso o estará apenas envenenando, e nada mais…
Não há nada mais perigoso que rompimentos amorosos que não são aceitos, promessas de emprego que não têm data marcada para começar, decisões que sempre são adiadas em nome do “momento ideal”.
Antes de começar um capítulo novo, é preciso terminar o antigo:
diga a si mesmo que o que passou, jamais voltará!
Lembre-se de que houve uma época em que podia viver sem aquilo, sem aquela pessoa.
Lembre-se que nada ou ninguém é insubstituível, um hábito não é uma necessidade.
Pode parecer óbvio, pode mesmo ser difícil, mas é muito importante.
Encerrando ciclos, não por causa do orgulho, por incapacidade, ou por soberba, mas porque simplesmente aquilo já não se encaixa mais na sua vida.
Feche a porta, mude o disco, limpe a casa, sacuda a poeira.
Deixe de ser quem era, e se transforme em quem você é…
Encontrei uma música do Frejat que combina direitinho com o texto acima:

14 de agosto de 2009

As três chamas...


Alma gêmea
Melhor amigo(a)
O amigo ama em todos os momentos; é um irmão na adversidade. (PV 17:17)
Raya, que vem do hebraico, assim define a amizade...




Afeto profundo
Mente e coração voltados para uma única pessoa
O Amor-Necessidade diz de uma mulher: 'Não consigo viver sem ela'(C. S Lewis)
Raya antecede o Ahava, que no grego define o amor entre duas pessoas, tão banalizado hoje...






Afinal, é osso dos meus ossos e carne da minha carne (Gn 2:23a)
Minha metade
Osso dos meus ossos
Raya antecede Ahava, que antecede Dod, que no grego define o amor conhecido como Eros.



-->
Os, três, formam a chama perfeita, completa, o verdadeiro amor.

*Baseado no vídeo da Série Nooma, chamado Flame, numa das minhas visitas ao blog [estereo]tipo












21 dias com Elizabeth Elliot: Nada é meu (19)

 "If we hold tightly to anything given to us unwilling to allow it to be used as the Giver means it to be used we stunt the growth of...

•top sabores•