27 de março de 2014

Anatomia de um coração






Taquicardia, borboletas no estômago, euforia.
A vida inteira que foi passando e ela nem viu.
Acelera, (des)acelera, acelera, (des)acelera.

Foi ao médico:
-Diga que não vai se deixar enganar de novo
- De novo não... de novo não... de novo não
-Suspire

**********************************

-A senhora tem a ausência de um pedaço da razão
[ilusão

-Então, doutor, não é possível preencher com um pedaço de emoção?
-Não. A única coisa a fazer é acalmar o coração. (*)


O coração é mais enganoso que qualquer outra coisa e sua doença é incurável. Quem é capaz de compreendê-lo?
Jeremias 17:9







*O texto é uma paródia escancarada do poema Pneumotórax, de Manuel Bandeira e resultado de uma ideia que ficou passeando pela cabeça enquanto eu ouvia a canção Calma Aí, coração, do Zeca Baleiro, que ao mesmo tempo faz uma ponte interessante com o texto bíblico.


13 de março de 2014

Estrabismo lexical



Algo recorrente em minha vida de escritora esporádica quando tenho a ideia de escrever um texto: as palavras começam a surgir na cabeça como uma chuva que começa fininha e de repente se transforma em enxurrada. O que sucede são tropeços e mais tropeços, pois quando isso acontece eu nunca tenho um bloquinho sequer pra lançar as ideias. Consequentemente, o estrabismo lexical do título que você que me lê procurou ao longos dessas poucas linhas que escrevo, surge e se por sorte eu chegar em casa a tempo, montarei o texto como um quebra-cabeça, utilizando apenas um lápis e um papel.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...