2 de agosto de 2011

Das estações.

 



As estações passam e a medida em que elas mudam de lugar, acompanho o seu ciclo infinito.

Deixo-me inundar nas cinzas do inverno para florescer em vários tons de lilás vermelho-alaranjado.

Ao mesmo tempo sou a folha que ressecou, caiu e passou a compor o (des)colorido tapete ao chão; o mesmo chão em que os miúdos brincam a pisar, se deliciando com as onomato(pé)ias ruidosas produzidas pelas pisadas de suas meninices.
Até que percebo que sou nada, nada mais que uma gotícula de orvalho que brinca de esconder dos raios de sol.


Aprendi com a primavera; a deixar-me cortar e voltar sempre inteira. (Cecília Meireles)
***imagem

21 dias com Elizabeth Elliot: Nada é meu (19)

 "If we hold tightly to anything given to us unwilling to allow it to be used as the Giver means it to be used we stunt the growth of...

•top sabores•