13 de outubro de 2009

B612




Canção mínima


No mistério do sem-fim
equilíbra-se um planeta.

E, no planeta, um jardim.
E, no jardim, um canteiro;
no canteiro uma violeta,
e, sobre ela, o dia inteiro,

entre o planeta e o sem-fim,
a asa de uma borboleta.

Cecília Meireles
Li a Canção Mínima no blog da Rita e fiz uma associação com o asteróide B612 do Pequeno Príncipe ( achei fofinho demais). Todas as vezes que leio, o asteróide vem claramente na minha mente. Será que Cecília pensou nisso quando escreveu? Fico pensando essas coisas de vez em quando...
Já que estamos na semana das crianças, nada melhor do que uma poesia leve e repleta de imagens!

5 comentários:

Nathi disse...

Que lindo!!

Amei, já estava com saudades daqui, sumi por que fiz merda no meu Pc e tô sem net, mas quando posso leio!

Beijoo e um alô pra quem reside no asteróide tão famoso!

Tobias disse...

Que meigo, dona Debby...

Lindo, o poeminha da Cecilia Meirelles.

Bjos

Brunno Soares disse...

o poema eh lindo
a história é bela...
isso pq somos eternas crianças...

abraços

Gladis Vivane disse...

Oi gatinha!
amiga, to passando aqui pra agradecer suas visitinhas la no salto. Adoro ver vc por lá.
E seu blog eh muito fofo! escreva mais!
bjocas

Rita disse...

Debby, ficou fofinho demais, mesmo.

É tudo de bom ficar pensando...pensando... pensando! =]

Adorei!

Bjks
=*

21 dias com Elizabeth Elliot: Nada é meu (19)

 "If we hold tightly to anything given to us unwilling to allow it to be used as the Giver means it to be used we stunt the growth of...

•top sabores•