23 de maio de 2010

Caminhos


Encontros
Por Fundação José Saramago

Os caminhos por onde os homens circulam só aparentemente são complicados. Procurando bem, sempre se encontram sinais de passos anteriores, analogias, contradições resolvidas ou resolúveis, plataformas onde de repente as linguagens se tornam comuns e universais.

In Viagem a Portugal, Editorial Caminho, 21ª edição, p. 237 (Selecção de Diego Mesa)

Achei esta citação no blog do Saramago. Sempre fico morrendo de vontade de comentar por lá, mas o blog não é aberto pra esse tipo de coisa. Adoro a forma como ele escreve, com exatidão. O único livro dele que tive a oportunidade de ler foi O Evangelho Segundo Jesus Cristo e eu recomendo pra quem quiser se aventurar. O propósito deste post não é falar dele, nem tsmpouco dos livros, mas pra variar, eu fiz uma ponte do texto acima com um poema do Mário Quintana chamado Poeminho do contra e uma música do Teatro Mágico ( A Fé Solúvel) que fala um trechinho do poema também. Como diria o bom e velho Mikhail Bakhtin, nenhum discurso é totalmente puro e original; ele é sempre uma resposta a outras vozes e discursos produzidos antes:

POEMINHO DO CONTRA

Todos estes que aí estão
Atravancando o meu caminho,
Eles passarão.
Eu passarinho!

Mário Quintana



A fé solúvel O Teatro mágico

É, me esqueci da luz da cozinha acesa de fechar a geladeira
De limpar os pés,
Me esqueci Jesus!

De anotar os recados
Todas janelas abertas, onde eu guardei a fé... em nós
Meu café em pó solúvel
Minha fé deu nó

Minha fé em pó solúvel

É... meu computador
Apagou minha memória

Meus textos da madrugada

Tudo o que eu já salvei


E o tanto que eu vou salvar
Das conversas sem pressa
Das mais bonitas mentiras


Hoje eu não vivo só... em paz
Hoje eu vivo em paz sozinho
Muitos passarão

Outros tantos passarinho

Muitos passarão


Que o teu afeto me afetou é fato
Agora faça me um favor


Um favor... por favor

A razão é como uma equação
De matemática... tira a prática

De sermos... um pouco mais de nós!


Que o teu afeto me afetou é fato
Agora faça me um favor


Um favor... por favor
Para ouvir a música acima, veja o vídeo abaixo:




As imagens foram retiradas daqui.

11 comentários:

Nathi disse...

Ah, Debby[nha], Débora, Mulher...

Que coisa mais linda. Sempre achei que música, poesia, falas de filmes, essas coisas sabe, têm muito em comum e em algum lugar dentro de mim se cruzam.

Bom...a ligação que você externizou aqui com certeza é fruto do que tem se passado aí dentro..

Passarão passarinhos?
Passaram?

beijo!

Adriana Otero disse...

massa seu blog
bjs

Mme. S. disse...

Sensibilidade em cada linha, foto, citação, gostos, música, poesia. Você tem um fino traço de delicadeza que é comovente.

corrigindo um erro grave meu: agora seu blog está lá nas minhas "outras selvas".

beijo, moça rara.

Mme. S. disse...

só mais uma coisa, também a.m.o a precisão do Saramago.

Pessoa disse...

palavras saborosas as tuas,
um favor,por favor
instantãneo
reflexo
da emoção

André Neves disse...

Débora, suas palavras fazem água agitar na boca. Vou voltar aqui para saborear mais. Obrigado pela visita.

Nathi disse...

Ah..li seu comentário no "O que elas estão lendo"...

ADOREI!

^^

beijos e eu também querooo

Rita disse...

Que lindo, Debby!
Sua sensibilidade fez desses textos, juntos, um delicioso post.

Adorei!
Beijo grande!
;*

um pormenor disse...

Sem dúvida que como o Saramago não haverá mais ninguém. Já não há coragem como antigamente ;D

Inov+ disse...

Gostei muito do que li !!

Visita o meu cantinho, tenho lá coisas lindas que vais de certeza gostar !!

Débora Oliveira disse...

Ah Sheyla, obrigada! Sinto-me honrada por ser incluída nas suas "outras selvas"

André, volte sempre!

Nahtyzinha fofa como sempre!

Bjos

21 dias com Elizabeth Elliot: Nada é meu (19)

 "If we hold tightly to anything given to us unwilling to allow it to be used as the Giver means it to be used we stunt the growth of...

•top sabores•