30 de setembro de 2008

Urbanidade [exercício de contemplação do cotidiano]







Após um longo dia sem descanso,
Da janela do ônibus a cidade se revela,
Misturando-se a natureza.
É um verdadeiro remanso pro coração.


As margens do Rio Potengi
Os barcos pescam e o sol
No horizonte se declina
Em tom alaranjado-avermelhado
Colorindo o azul do céu ainda não estrelado

A ponte se a l o n g a pra que se chegue à outra ponta
E embaixo de si ainda tem muita água para passar.
Por ela muitos passam, mas poucos percebem a sua generosidade,
Ao permitir que se passe sem os pés molhar e ao mesmo tempo os olhos encher.

Um trem perpassa sorrateiro ligeiro
Cortando o ronco do motor do ônibus
Deslumbrando a criança diante dos trilhos
Direcionando o olhar dos curiosos passageiros

Pensamentos sentimentos
Fluem sorrateiros e perpassam ligeiros
Assim como o trem que cortou o ronco do motor do ônibus
E desviou todas as atenções para si.
Misturando-se com as mensagens desencontradas dos outdoors

Do passado só me lembro, não repito.
O presente vivo intensamente, mas com cautela.
Do futuro se encarrega Alguém que é maior que eu.
Guardo os pensamentos dentro do armário do coração
A paisagem lá fora não se deixa esconder.

Chego ao destino.
E a urbanidade faz companhia ao próximo passageiro que se deixar entreter com pensamentos e contemplações.

[Débora Rosane]

3 comentários:

Mimi disse...

Vai me dizer q esse texto é seu?
Ahauhue, Debby tu tá me deslumbrando mt mulé..

Debby disse...

O texto é meu sim Mimi ^^
Aww fofa
x)

Jéssica disse...

Belo texto.

Gosto dessa percepção do cotidiano, a beleza que nos é dada todos os dias e que esquecemos de olhar... admirar.

Bom quando alguém nos atenta pra isso.

Oi, moça, tudo bem?
Encontrei você por aqui! Bela surpresa!

Linkei no meu blog, ok?
Beijos

Good People (Spoiller Alert!), de David Foster Wallace

Leia o texto a seguir e somente após ter feito isso, volte e leia a análise: GOOD PEOPLE Two young Christians and an unwanted pregna...

•top sabores•